O Que é Que Quanto Mais Você Divide, Mais se Multiplica?

Thumb O Que é Que Quanto Mais Você Divide, Mais se Multiplica?

O Que é Que Quanto Mais Você Divide, Mais se Multiplica?

Quanto mais você divide, mais se multiplica?. O que é, o que é: quanto mais você divide, mais se multiplica? E aí, já matou a charada?

Se você respondeu, estamos juntos. Na mesma página. O conhecimento.

Quanto mais você divide o conhecimento, mais chance dele se multiplicar naturalmente.

Então, eu quero conta, hoje, aqui, uma das histórias que eu mais gosto de Nazrudin.

É uma história que eu conto há bastante tempo já nos cursos de liderança que o ministro.

Certa vez, em uma pequena cidade, em um pequeno povoado lá na Turquia, jovens se reuniram para decidir como seria o desenvolvimento econômico daquele povoado.

Eu quero que você viaja comigo no tempo dois mil anos atrás.

Dois mil anos atrás, imagine você como as pessoas se vestia, que tipo de tecnologia elas tinham,

como elas se comunicavam, como elas se relacionavam, principalmente, se você voltar dois mil anos atrás,

naquela época, lá, naquela região da Turquia.

Então, em uma sala, jovens estavam ali discutindo sobre como tornar aquele povoado onde eles moravam economicamente mais potente, mais forte.

E aí alguém deu uma ideia.

Que tal se nós contratássemos um jovem com uma incrível habilidade de se comunicar.

Essa pessoa poderia viajar, outras cidades, falando bem do nosso povo, da nossa terra, da nossa comida, da nossa música.

As pessoas ficaram curiosas e assim veriam até aqui e isso aumentaria o fluxo econômico do nosso povoado.

Quanto mais você divide, mais se multiplica

Bom, é verdade, a ideia fantástica e já começaram a pensar no nome de qual o jovem representaria melhor a cidade e alguém, então, ergueu o braço, todos fizeram silêncio e disse:

“E se déssemos para essa pessoa, uma carruagem para que ela pudesse levar, também, produtos aqui da nossa cidade,

poderia levar obras de arte, alguns doces, pães, assim as pessoas poderiam tocar, provar, e se quisessem comprar, teriam que vir até aqui na nossa cidade.

Começar a discutir, então, sobre que tipo de produtos eles colocariam na carruagem, e a coisa estava realmente esquentando dentro daquela sala,

até que o ancião, um senhor, com uma barba branca, grande, ergueu o braço, todos silenciaram, e ele fez uma pergunta.

Ele disse: “Olha, eu estou encantado com a iniciativa de vocês,

mas se isso tudo der certo e muitas pessoas resolverem vir para o nosso povoado,

estaria o nosso povo preparado para aproveitar as oportunidades?”

Fez-se um silêncio tremendo e as pessoas ficaram ali refletindo, até que alguém quebrou o silêncio fazendo uma pergunta:

“Mas como preparar toda a população?”

E começaram, então, uma discussão de novo, um brainstorm, até que alguém disse:

“E se chamássemos um mestre e ele viesse uma vez por semana para ensinar as pessoas a nossa cidade?

Assim, todos poderiam aprender ao mesmo tempo, seria incrível.

” Sim, mas quem?

Naquela época, havia um mestre, naquela região, bastante famoso, mas ele tinha um método diferente de ensino.

Mas como ele era muito famoso, alguém disse:

“Poderíamos chamar Nazrudin.”

Sim, mas ele mora com poucos discípulos ele é meio estranho, será que ele toparia falar para toda a cidade de uma só vez?”

E alguém disse: “Só vamos saber se perguntarmos a ele.”

Então, saíram ali daquela casa onde estavam e algumas pessoas foram até onde morava Nazrudin com seus discípulos,

explicaram para ele o projeto, Nazrudin pensou alguns segundos e disse:

“Ok, contem comigo.” “Que dia?” “Aos domingos.” “Que horas?” “Às 9 horas da manhã.” “Onde?” “Na praça central.

Quanto mais você divide, mais se multiplica

Vamos construir um palanque para você falar para todos de uma só vez.” Nazrudin disse:

“Digam a todos que eu vou.”

Como ele era muito famoso, rapidamente aquela história correu toda a cidade e domingo pela manhã, por volta das 8 horas da manhã, a cidade estava em peso na praça central.

Tinha gente em pé, sentado, deitado pessoas escorados nas árvores.

Às 9 horas em ponto, Nazrudin chegou, subiu no palanque, olhou aquela multidão e disse:

” Bom dia, povo deste lugar.”

E a multidão respondeu: “Bom dia, mestre Nazrudin.”

E ele fez uma pergunta: “Vocês sabem sobre o que eu vim falar aqui hoje?”

E a multidão respondeu: “Não, nós não sabemos.”

Ele disse: “Como é que vocês saíram de casa para ouvir uma pessoa e nem sabem sobre o que ela vai falar?”

Gente assim não merece me ouvir, e foi embora.

Bom, naquela época, não tinha Whats, nem Face, nem Instagram, mas tinha um outro meio de comunicação que, de tão eficaz, dura até hoje.

A fofoca. E, rapidamente, essa história começou a chegar nas cidades vizinhas as pessoas ficaram curiosas, e o que aconteceu?

No sábado, caravanas e mais caravanas começaram a chegar na cidade.

As pousadas ficaram completamente lotadas, as casas dos parentes, e aí, domingo, não só toda a população estava na praça novamente,

como aquelas centenas de pessoas que vieram de outras cidades.

Tinha gente no chão, em cima das árvores. Nazrudin às 9 horas em ponto, chegou e viu três vezes mais pessoas que o domingo anterior.

Então, subiu no palanque, olhou aquela multidão e repetiu o ritual.

“Bom dia, povo deste lugar!” E a multidão respondeu: “Bom dia, mestre Nazrudin.”

E ele fez a pergunta: Vocês sabem sobre o que eu vim falar aqui hoje?”

E a multidão respondeu: “Sim, nós sabemos.” Ele disse: “Bom, se você já sabe, eu não preciso contar.

Quanto mais você divide, mais se multiplica

Tchau.” e foi embora.

As pessoas ficaram perplexas de novo e começaram aquele burburinho, e a história continuou ganhando cada vez mais cidades.

Quinta feira da outra semana, caravanas e mais caravanas começaram a chegar, pousadas lotadas, as casas dos parentes,

pessoas acampando nos mais diversos lugares próximos daquela cidade.

Domingo, 10 vezes mais pessoas que o primeiro dia.

Às 9 horas em ponto, chega Nazrudin, sobe no palanque, olha aquela multidão, gente no chão, em cima das árvores, telhados das casas, não havia espaço para mais nada.

Aquele silêncio mortal, 9 horas em ponto Nazrudin repete o ritual:

“Bom dia povo deste lugar!” E a multidão responde: “Bom dia, mestre Nazrudin!”

E ele pergunta: “Vocês sabem sobre o que eu vim falar aqui hoje?” E a multidão responde:

“Metade sabe, a outra metade não sabe.” Ele disse: “Então, a metade que sabe conta pra quem não sabe.

Tchau.” e foi embora.

Durante a semana, as pessoas encontraram Nazrudin no meio da floresta colhendo algumas frutas, e falaram “Nazrudin, se eu fosse você, não iria até a cidade domingo que vem.

” Ele disse,

“Mas por quê?”

“Olha, estão combinando de ir pegar e lhe darem uma surra.” e ele disse,

“Mas o que eu fiz?” “Você fez todo mundo de bobo.” Ele falou:

“Mas eu só fiz o que vocês pediram.”

“Como assim, Nazrudin?”

“Vocês não queriam ficar famosos e que as pessoas das outras cidades viessem até a cidade de vocês?

Elas não vieram?”

“Bom, elas vieram, mas nós queríamos que você ensinasse ao povo.”

Ele falou: “Mas eu ensinei o principal.” “Como assim, Nazrudin?”

“Veja, se você não sabe que está procurando, como saberá que encontrou?

Quanto mais você divide, mais se multiplica

Segundo, se você já acha que sabe, como aprenderá coisas novas?

E terceiro, só tem um jeito de uma pessoa, uma cidade, crescer de forma sustentável são aqueles que sabem contando para aqueles que não sabem.”

Não se sabe se a história é verídica ou não, mas o fato é que nos faz pensar a respeito da importância de compartilharmos conhecimentos, informações, estratégias ideias,

e o quanto isso pode se multiplicar de uma forma positiva.

Eu sei que talvez você possa pensar,  mas a gente tem que tomar cuidado com que tipo de conhecimento a gente compartilha.

Eu concordo contigo, eu acho que a gente precisa ser, eu acho que nós precisamos sermos mais responsáveis e compartilhar os conhecimentos que,

de fato, possam agregar com a vida de outras pessoas.

Existem muitas informações e conhecimentos esparramados pelo mundo e, naturalmente,

as pessoas se sentem motivadas a compartilhar mais aquilo que faz mais sentido para elas.

Na medida que as pessoas vão aumentando o seu nível de consciência, naturalmente,

ela começa a se identificar com conteúdo mais relevantes e compartilharem esse conteúdo com as pessoas com as quais elas convivem e amam e

isso vai criando uma onda muito positiva.

Então, pense aí: que tipo de conhecimento, que tipo de informação seria muito legal se você pudesse compartilhar com mais pessoas.

Lembre-se, conhecimento, quanto mais se divide, mais se multiplica.

Gostou então compartilhe nas Redes Sociais

Tecnologia Global Oficial

Envie seu comentário:

Você também pode gostar: